Imprensa – Kölner Stadtanzeiger: "O Saco Amarelo no Bairro Vermelho."

RESÍDUOS DE EMBALAGEM. O sistema de classificação de resíduos mais moderno da Europa está em Iserlohn: os sensores separam diversos plásticos.

POR BARBARA A. CEPIELIK

Iserlohn. Como especialistas em resíduos sabem que é Natal? Pelas fitas de videocassetes sucateados que se enrolam por toda a planta de classificação de plásticos. No Natal, se presenteiam muitos equipamentos eletrônicos e os meios de armazenamento que se tornam obsoletos encontram seus destinos nos sacos amarelos, pois as pessoas crêm que algo que amam é valioso e poderia ser reciclado. Este é o motivo pelo qual as fitas de videocasete antigas atormentam os equipamentos de classificação de resíduos da empresa Lobbe em Iserlohn. Para o Sr. Klaus Bertmann, diretor de planta da instalação mai moderna deste tipo na Europa, são indesejáveis as "classificações incorretas", assim como as árvores de Natal que também interferem com as máquinas.    
O Sr. Bertmann gerencia uma planta que pode classificar 45 por cento das embalagens leves recebidas com tanta precisão que se pode reciclar para a produção de novos produtos (tubos, garradas, etc.) de uma maneira economicamente razoável. Portanto, a planta está significativamente acima do volume desejado. É uma obra-prima, como pensa o Sr. Norbert Völl da Green Dot Germany. Este é um investimento de 14 milhões de Euros que oferece muito mais que os 1,2 kilometros de correias transportadoras em um galpão enorme. Como em um labirinto, as correias transportadoras se movem para acima e para abaixo em alta velocidade, transportando resíduos, plásticos, películas, etc... 250 toneladas de plásticos são processadas todos os dias, quer dizer, 45 caminhões carregados. Finalmente, os fardos são cuidadosamente classificados quando saem da planta. Assim como também alumínio e lata prensados.    
O que cada caçamba da pá carregadora fornece para a classificação é um amálgama heterogéneo de resíduos: sacos, recipientes de iogurte, embalagens de xampu, cápsulas de café expresso. Assim como tetrapacks e pedacinhos de papelão avançam pelas correias transportadoras. Há um odor adocicado, como em um refrigerador que não foi limpo durante muito tempo. Toda este amálgama de resíduos diversos é separado assombrosamente rápido por peneiras, separadores magnéticos, separadores balísticos e separadores de corrente de Foucault. É bom que os resíduos não fiquem misturados. 15 dispositivos separadores baseados em sensores óticos se encarregam de separá-los.    
Em primeiro lugar, é a vez de plásticos filmes. Este danificaria a identificação dos outros materiais. Depois, todos os demais: separados por tamanho e peso, algunas partes são sopradas, outras partes caem através de ranhuras a outra seção do transportador. O que ao leigo poderia dar a Impressão que é uma barreira de luz é, na verdade, um separador ótico cuja tecnologia de emissões próximas ao infravermelho identifica os mais diversos plásticos. Nenhum ser humano seria capaz de fazer isto a esta velocidade e com esta precisão. Assim temos: polipropileno aqui, polietileno ali. As cápsulas de café (que se encontram em quantidade significativa) se reunem ao final, posto que todas são de alumínio.    
Ao final de todo o processo, alguns trabalhadores verificam visualmente todo o material girado, sacudido e revirado e intervêm aqui e ali para acabar de classificá-lo. Em comparação a cenários de 20 anos atrás, os trabalhadores protegidos por máscaras separando garrafa de embalagem por garrafa de embalagem, saco por saco, ninguém se atrevia a sonhar que algum dia equipamentos de clasificação identificaria os tipos de plástico, até uma embalagem danificada.    
Em um ano, 41 toneladas de lata saem da planta, 24 toneladas de tetrapacks de bebidas, 37 toneladas de filmes ... mas também unm quantidade equivalente de resíduos plásticos não comercializáveis que terminam no incinerador (ou como combustível substitutivo do petróleo na indústria). Existe uma obrigação legal de reciclar 36 por cento dos resíduos plásticos, "materialmente". Esta baixa taxa provem de tempos anteriores da Ordenança de Embalagens (ver "New Act"). Enquanto os legisladores não podem exigir mais reciclagem de materiales, só umas poucas empresas de resíduos são suficientemente ambiciosas para otimizar suas plantas de modo que proporcionem uma grande quantidade de material que será mais que um recheio para a construção de estradas ou um substituto de pellets. Quem pense que cada embalagem de iogurte se recicla em um nova embalagem de iogurte, está muito equivocado. A metade do material depositado nos contentores amarelos terminará no incinerador, no que se denomina "valorização térmica".    
Portanto, para obter um alto rendimento de recuperação do material como conseguido em Iserlohn, vale a pena o esforço. Até o momento, a utilização da planta está ajustada para uma dúzia de materiais; "Contudo, à solicitação do cliente, se pode agregar mais", diz o diretor técnico. Isto significa que os esforcos de reciclagem devem ser pagos e clientes devem ser encontrados. Isto é problemático: os produtos de plásticos reciclados todavía são considerados produtos de nicho.    
No "Ponto Verde" em Colonia-Porz, o time de um pequeno laboratório está trabalhando durante muito tempo: as primeiras garrafas para produtos domésticos "Frosch" contém uma fração considerável de plásticos reciclados de sacos amarelos. Uma rede de bio-mercados do sul da Alemanha decidiu fazer cestas de compras a partir de material granulado de resíduos de plásticos reciclados. O grupo Henkel acaba de apresentar uma garrafa de plástico de cor rosa pálido brillante que contém frações dos contentores amarelos. Mais exatamente: material granulado de polietileno de alta densidade (HDPE) da marca Systalen. Este é o material que é  producido no "Ponto Verde" a partir de embalagens recicladas. Assim se fecha o círculo.    

View the original article here (german)

Arquivo de Noticias