Escórias ou cinzas são resíduos provenientes de processos de combustão da área de usina ou incineradores de lixo. Os resíduos dos incineradores de lixo são de particular importância à proteção do meio ambiente.

PROCESSAMENTO DE ESCÓRIAS.

Na incineração de lixo, sobram em torno de 250 a 350 kg de escória por tonelada. Estas são - como os próprios resíduos - de composição muito diferente, o que afeta o teor de minerais, sucata de ferro, água e metais pesados.

Antes de nova utilização, a escória de incineração de resíduos deve ser processada e armazenada de tal forma, que ela atenda aos requisitos de qualidade da valorização posteriormente desejada.

O PROCESSO.

Na maioria dos casos, a escória é levada através da tecnologia de transporte do incinerador de lixo (MVA) ao sistema de processamento. Lá ela é armazenada com precedência de, pelo menos, um dia para a incorporação de ar CO2. Depois a escória é peneirada e quebrada. Sucata de ferro e metais não ferrosos, tais como alumínio, cobre e latão, são separados da escória. Estas encontram nova valorização como matéria-prima na fundição de metais. Resíduos não queimados são processados e removidos num separador.

Na escória, processos físicos e químicos ocorrem simultaneamente, por isso é importante, de acordo com as orientações técnicas, considerar os mesmos e armazenar a escória após o processamento durante um certo período. Pode-se usar este produto como um produto secundário ou material de uso na construção de estradas e vias, somente se forem cumpridos os requisitos necessários. O tempo e a tecnologia trabalham para a qualidade da escória.